Hospital Mater Dei Eventos
Marque sua consulta
(31) 3501-0500 / (31) 3339-9009
Seg. à Sexta - 8h às 18h
Radioterapia Mater Dei
Rua Gonçalves Dias, 2700 - Subsolo
Santo Agostinho - Belo Horizonte/MG
Redes Sociais

Mamografia no diagnóstico precoce do câncer de mama: por que é importante fazer o exame?

Em 27/09/2016 às 17:08 - Por Radioterapia Mater Dei

O câncer de mama é o tipo mais comum entre mulheres no mundo inteiro. As estatísticas são alarmantes e demonstram o aumento de casos tanto nos países desenvolvidos como nos em desenvolvimento. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA, durante o ano de 2016, quase 60 mil mulheres devem ser diagnosticadas com câncer de mama, doença que afeta com maior incidência mulheres com mais de 50 anos.

O diagnóstico precoce é um diferencial no sucesso do tratamento e pode aumentar as chances de cura de uma paciente. Por isso, a Radioterapia Mater Dei listou alguns mitos e verdades sobre a mamografia, principal exame de detecção do câncer de mama. Confira!


Os benefícios da mamografia

A mamografia é um exame de Raio-X das mamas capaz de detectar nódulos cancerígenos ainda em estado precoce – antes mesmo de se tornarem palpáveis ao toque. Quando o câncer de mama é detectado precocemente as chances de morte pela doença são diminuídas em 30% a 70%. Por isso, o exame se mostrou uma potente arma na redução da mortalidade de mulheres acima de 50 anos, já que nessa idade os riscos de desenvolver a doença são maiores e o exame deve ser feito periodicamente.


O exame tem riscos?

Os riscos de se submeter à mamografia se tornam mínimos em relação ao benefício obtido pelo exame. Durante sua realização, as mamas são comprimidas entre duas placas e recebem um feixe raios X de baixa energia para se formar uma imagem utilizada para o rastreamento do câncer.


Não sei ao certo com qual idade se deve fazer o exame

Os tumores mamários são mais comuns entre mulheres com mais de 55 anos, mas também podem acometer mulheres jovens. Por isso, é importante se informar para saber se você se enquadra em algum grupo de risco e assim definir com seu médico qual a idade ideal para começar a realizar a mamografia.

Mulheres com histórico de tumor mamário na família ou alterações palpáveis, por exemplo, são recomendadas a fazer mesmo antes dos 40 anos. Para mulheres com risco aumentado, o exame deve ser anual a partir dos 35 anos de idade. As que não se enquadram neste grupo podem realizar o rastreamento mamográfico pela primeira vez aos 40 anos, sendo que os controles anuais devem ser realizados até os 70 anos, dependendo das condições físicas da mulher. A partir desta idade, a frequência dependerá do critério médico.

Embora mulheres em grupo de risco sejam orientadas a redobrar os cuidados, a maioria das pacientes com câncer de mama (85%) não tem histórico familiar, por isso é importante realizar o rastreamento a partir da idade indicada.


Mamografia dói

A mamografia pode provocar dor, dependendo da sensibilidade da mulher, mas a boa notícia é que se trata de um exame muito rápido. Algumas dicas para driblar o desconforto causado pelo exame: tente não agendar o exame nos dias que antecedem sua menstruação, já que neste período as mamas ficam mais sensíveis; tome um analgésico antes do exame e converse com o médico que o realizará, informando sua sensibilidade para que ele tente deixar o exame menos doloroso.


Tenho prótese de silicone. E agora?

Próteses de silicone podem impedir que a mamografia alcance alguns tecidos da mama. Elas não aumentam o risco de desenvolver o câncer de mama, mas diminuem a taxa de detecção. A perda de visualização pode variar entre 10% e 60%, dependendo do tamanho da prótese e de sua localização. Para visualizar melhores resultados na mamografia é importante que o implante esteja em volume adequado e de preferência inserido atrás do músculo.

Em caso de seios muito densos, o rastreamento pode não ser tão eficaz na detecção de nódulos ou lesões cancerosas. Para complementar mamografia, seu médico poderá solicitar outros exames de imagem, como um ultrassom ou uma ressonância magnética.

Atualmente, todos os convênios e seguros de saúde cobrem o custo da mamografia e usuárias do Sistema Único de Saúde – SUS, têm direito ao exame gratuito.

Exames complementares

A ultrassonografia também pode ser utilizada em conjunto com outros exames na detecção de tumor mamário, mas não se trata de um método de rastreamento. Ela pode ser utilizada em mulheres grávidas ou mulheres abaixo de 30 anos que percebem um nódulo palpável nas mamas, ou ainda para orientar punções biópsias de nódulos (de cistos ou sólidos).


Autoexame

Além da mamografia, existe outra arma que pode ser utilizada no combate ao câncer de mama e no diagnóstico precoce da doença. O autoexame pode ser realizado por todas as mulheres no dia a dia. O ideal é que elas incluam essa prática em suas rotinas e se lembre de verificar a existência de qualquer tipo de alteração nos seios.

Gostou do post? Leia também “Qual a relação entre o cuidado com a mente e a eficácia no tratamento contra o câncer?”. Acesse o site da Radioterapia Mater Dei, informe-se sobre dicas de saúde, tratamentos e prevenção de doenças! Acompanhe também o Facebook, Instagram e assine nosso canal no Youtube.