Hospital Mater Dei Eventos
Marque sua consulta
(31) 3501-0500 / (31) 3339-9009
Seg. à Sexta - 8h às 18h
Radioterapia Mater Dei
Rua Gonçalves Dias, 2700 - Subsolo
Santo Agostinho - Belo Horizonte/MG
Redes Sociais

Meu parente ou amigo tem câncer: o que dizer e não dizer para ele?

Em 06/09/2016 às 11:32 - Por Radioterapia Mater Dei

O tratamento de câncer é um momento delicado não só para os pacientes, mas também para seus familiares e amigos. A Radioterapia Mater Dei lida diariamente com pessoas em tratamento oncológico – suas dúvidas, anseios e inseguranças – e sabe que a medicina por si só, mesmo com todo seu avanço, não é suficiente para mantê-las de pé. O amor e a energia positiva que emana da família e dos amigos são primordiais para manter o otimismo, a saúde emocional e a vontade de lutar de um paciente.

No entanto, a falta de tato com a doença – que ainda é muito associada à morte – e a falta de conhecimento sobre os tratamentos pode causar muita saia justa entre quem foi diagnosticado e alguém que deseja ajudar, mas não faz a mínima ideia de como pode fazer isso.

É normal que neste momento haja questionamentos sobre como lidar ou o que dizer para a um parente ou amigo com câncer. A verdade é que não existe uma forma certa ou errada de proceder, mas é bom evitar alguns comentários e comportamentos que podem causar situações de desconforto.

Confira algumas dicas de como agir – e não agir – com uma pessoa em tratamento oncológico

1 – Não faça comentários sobre o que não entende

Evite falar sobre coisas que você não entende ou experiências pelas quais você não passou, como “cabelo não é o mais importante”. Algumas mulheres sentirão imenso pesar em ter que mexer nas suas madeixas. Isso pode parecer simples para você, mas pode não ser para pessoas que já estão vulneráveis com a situação.

Só faça comentários sobre a aparência do paciente se eles forem construtivos e para enaltecer sua autoestima – principalmente se for mulher. Não diga que ele está gordo, mesmo que esteja tentado estabelecer a relação entre gordura e saúde. Na verdade, ele pode estar inchado!

2 – Atenção para o bom senso

Inserir o contexto religioso na conversa pode ser bom. Dizer que aquela pessoa está em suas orações, seja qual for sua crença, demonstra carinho e cuidado. Não vale é ficar levantando hipóteses do tipo: “você fez algo para merecer isso?”, “se você tiver fé, você se cura” ou “câncer é carma”.

Sabemos que a fé pode ajudar neste momento, mas não existem garantias de que ela bastará. Esse tipo de comentário pode causar muito desconforto em uma pessoa doente que, além de ter que lidar com todo o estresse causado pela doença e seu tratamento, se pega pensando que não tem fé, portanto pode não ser merecedora da cura.

3 – Comparações e casos infelizes

Ninguém precisa saber daquele seu amigo que “lutou e perdeu” contra o câncer. Se quiser fortalecer o paciente cite casos de superação, conte como as pessoas conseguiram vencer, mesmo em meio às adversidades. Eles só precisam ouvir histórias de sucesso, de quem conseguiu a cura e não frases como: “um amigo teve a doença e sofreu muito. Morreu rápido”.

Outras frases que você não deve dizer

  • Você está ótima! Nem parece que está doente! / Sua cara está ótima! Nem parece que tem câncer! / Você está melhor do que eu imaginava!
  • Um conhecido de um conhecido teve câncer no mesmo lugar e morreu;
  • Essa doença pega?
  • Essa doença foi provocada por uma amargura muito grande que está em você / Você deixou a doença entrar;
  • Como você se sente sem as mamas?
  • Você não poderia ter feito alguma coisa para prevenir a doença?
  • Aquela doença (em vez de falar o nome);
  • Efeitos colaterais são o de menos;
  • Cabelo cresce!
  • Fulano perdeu a batalha contra o câncer;
  • Conheço gente que ouviu falar que venceu o câncer tomando apenas uma erva milagrosa;
  • Você está de peruca? Nem parece;
  • Vai ficar tudo bem.

Atitudes mais adequadas (e humanas) que você pode ter

  • Se informe sobre o câncer! Leia e estude sobre o tratamento para entender quais os anseios e inseguranças de seu amigo ou familiar. Você poderá compreendê-lo melhor desta forma.
  • Quando estiverem juntos, se ele não quiser falar, não o force! Saiba ouvir, reconhecer o valor de um silêncio amigo e doar sua companhia. Leia um livro enquanto ela descansa, leve água. Seja proativo ao controlar o horário das refeições sem precisar ficar perguntando a todo tempo se a pessoa está com fome.
  • Se ofereça para ajudar nas tarefas práticas da vida, mesmo que com pequenas atitudes. Precisa de algo do mercado? Precisa de alguém para buscar as crianças na escola? Precisa de companhia para a quimioterapia? Posso fazer uma comida gostosa? Lavar os pratos?
  • Agende suas visitas com antecedência. Dias pós cirúrgicos ou de quimioterapia podem ser difíceis para os pacientes. Tenha paciência para esperar uma hora mais apropriada para a visita.
  • Fale sobre outras coisas. Tudo o que os pacientes escutam está relacionado à doença e isso cansa. Introduza outros assuntos. Fale sobre planos para o futuro, coisas simples da vida e do cotidiano.
  • Diga que está junto na luta, que acredita na capacidade de superar o câncer, emocional e fisicamente, e que tem orgulho da pessoa. Mas jamais, jamais diga que está com pena! Prefira frases como “O que você aprendeu com a experiência?”; “Você é linda” e “Fico tão feliz por você ter encarado essa batalha”.
  • Se perceber sinais de depressão ou desânimo, procure ajuda! Talvez seja preciso um acompanhamento psicológico, ou baste uma caminhada leve para espairecer (respirar ar puro, ver gente e ver vida) ou uma maquiagem bonita para elevar a autoestima.
  • Não leve para o lado pessoal se o paciente apresentar momentos de agressividade, seja compreensivo. Sempre que puder faça com que a pessoa dê umas boas gargalhadas e lembre-a que há uma vida boa esperando por ela para ser vivida!

 

Acesse o site da Radioterapia Mater Dei e acompanhe também nosso especial sobre Os Direitos dos Pacientes com Câncer. Siga-nos no Facebook, Instagram e assine nosso canal no Youtube.